Dominio  Feminino, o primeiro Portal Feminino brasileiro
.
 
 
 

 

             
                        

 

 

 

 

 

O Dia do Consomedor

 

Berta Ataíde
02, Março/2003

Todo consumidor que reclama por ressarcimento é um aproveitador que quer resolver seus problemas financeiros às custas das pobres empresas.

 

Este dia deveria ser o dia dedicado ao consumidor de injustiças, consumidor de abusos, consumidor de desrespeitos. Pois é isso que nós brasileiros somos. Consumidores de mentiras, consumi-dores. Tendo em vista que a Telemar é a campeã em queixas e desrespeito a aqueles que consomem dores provocadas por ela, dedicamos este Dia. Queremos também, pedir à Telemar, que não fuja à obrigação de ressarcir a Sra. Maria José Loredo Moreira de Souza pelos prejuízos materiais e morais, já que as lágrimas e doenças adquiridas, para isto não há nenhuma forma de ressarcimento.

Tempos atrás, as fiscais do Sarney, foram aos supermercados em bandos. O grupo de senhoras donas-de-casas acabou virando um partido, dirigido por homens, conquanto não se saiba que tipo de homens, ou com quais intenções. Neutralizá-las, ou apropriar-se do patrimônio político que aquelas senhoras adquiriram. A onda de fiscais terminou mas sobraram as Maria Josés e Thiagos da vida ( ainda com vida).

Segundos as divulgações na grande imprensa, os Procons e outras fontes exibem uma relação de relevância entre as empresas contumazes em ludibriar, em torturar, em roubar o consumidor. Vai desde prestadores de serviços, mesmo os pequenos mas viciados até as grandes corporações.

Dentre as grandes, destam-se as operadoras de telefonia e fornecedoras de energia elétrica passando por empresas de transportes, fabricantes de móveis, o diabo-a-quatro.

Passando pelos diabos — muito mais que apenas quatro —, dos deputados, vereadores, prefeitos, governadores, ministros, juízes, fiscais até presidentes que, por não darem a devida importância — ou não poderem de fato, por terem o rabo bem atado e muitos, cada qual levando o rachidizinho deles — ao cumprimento das Leis ao Consumidor, acabam prevaricando.

As grandes empresas, exemplo disso vemos Telemar, na área de telefonia, não ser desbancada por nenhuma outra, no ranking de queixas. Até nos Juizados de Pequenas Causas, tem advogados de plantão. Na certeza da proteção política e econômica, pouco se dá que a Sra. Maria José Loredo Moreira de Souza, mãe do Thiago Moreira de Souza, que trouxemos em reportagem inédita na Rede, esteja morrendo lentamente, consumida por doenças psicológicas decorrentes dos prejuízos financeiros a sua família passando fome. A Telemar lhes retirou um instrumento de trabalho, coisa que já foi Lei, seguida ao pé da letra, em tempos menos civilizados, menos tecnológicos, de menos mudanças radicais, mas tempos mais justos. É sim, tempos mais justos, para quem nunca soube.

Disto, ninguém se lembra mais. Ninguém podia retirar de outrem seus instrumentos de trabalho, instrumentos que lhes eram vitais à sobrevivência.

Hoje, um sujeito que não pagar a pensão aos filhos, pode, com já foi fartamente noticiado, se ele for um músico, seu instrumento ficará indisponível ( um artista plástico acabou morrendo depois de anos de prisão ). Ora, se o sujeito se vê impedido ao acesso as suas ferramentas de trabalho, como irá ganhar dinheiro para quitar suas obrigações?

Como o consumidor poderá enfrentar empresas com poderio político, econômico e financeiro, para comprar centenas de bancas de advogados, contra um idiotinha de um consumidor furreca que nem pode contratar um advogado. Buscar a Justiça Gratuita ? O que a Justiça Gratuita (???) vai fazer, quando o que é determinado pelo Juiz é motivo de risos para os funcionários das empresas "partroas" ?

Justiça pode ser Ju$tiça e é assim, em geral. É como os Bancos que só emprestam dinheiro a quem já o tem. Basta ver os últimos acontecimentos no Rio de Janeiro, envolvendo Fiscais. Isto só no Rio de Janeiro. No Rio também, aconteceu o escândalo do Procon, quando seu Mestre Maior, avisava às empresas sobre o número de queixas e processos e negociava para que o consumidor perdesse a causa. Alguém se lembra disso?

Na imprensa escrita, nenhuma seção de queixas do consumidor aceita mais reclamações contra a Telemar ou contra a Light. Já sabem: isso? Nem adianta.

Fica a pergunta: a quem a Telemar deve tamanho e extraordinário poder político e junto à Justiça ?

Apenas uma coisa quero ressaltar: A Telemar e/ou a Light serem reestatizadas, isso, nem pensar.

 

 
 
 
 
 
 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Sobe

 

[ Domínio Feminino © 1999 -2003. Todos os direitos reservados. ] Brasil - We speak brazilian Portuguese

Cadastre-se