dominiofemininodominiofeminin
Domínio Feminino.com.br
Domíniofem
 
Nosso abraço especial:
 
Sra. Marília Reis - RF
Merece constar aqui.
 

 

 

Dia do Funcionário Público
www.dominiofeminino.com.br
homenageia todos os Funcionários Públicos
Sra. Eunice G. da Rosa Sampaio e Rafão

 

Com certeza, que há um bom motivo para que a sra. Eunice Rosa esteja aqui, como representante do Servidor Público.

Aconteceu num mês de Agosto de 199..(?), logo no início do primeiro governo do Presidente Fernando Henrique Cardoso.

Havia lido num jornal uma notícia de rodapé, sobre um bom capital que estava sendo liberado pelo BNDES, para uma empresa multinacional. Uma linha polpuda para não gerar nada que justificasse tanto dinheiro, enquanto eu e 99,99% dos empresários brasileiros, pequenos como eu, ficavam à míngua, sobrevivendo apenas aos minutos presentes.

Minha dignidade me impedia de ficar quieta. Bom, vale ressaltar que a nota de rodapé, lida no jornal, já estava em seu segundo dia de publicação. Acostumada com notícia, desconfiei dos objetivos. Se era para ver se alguém se indignava, já havia acontecido. E saibam que, notas de rodapé dizem, muitas vezes, coisas mais importantes que as manchetes. E aquela era uma nota importante, com certeza, alguém queria dizer mais do que constava no espaço.

Àquela época não se usava e-mensagens e sim fax. Sentei-me ao computador e escrevi uma carta terrível ao Presidente da República. Telefonei e pedi a alguém que recebesse o meu fax e o encaminhasse para o Presidente. A carta chegou ao destino e depois tomou um caminho longo, até que, um dia, vieram os primeiros resultados. Contatos, respostas e a coisa foi seguindo. Enquanto isso eu movia-me mexendo Céus e Terra.

Bom é dizer que, o produto que minha empresa fabrica não é lá muito consumido no Brasil. Meio artigo de luxo, embora pudesse resolver um tanto dos nossos problemas mais graves. O segmento de mercado no qual eu atuava e, menos agora, sempre preocupado com o imediato. Natural. Mas eu lutava em busca de uma linha de crédito especial, não daquele tipo " a fundo perdido" de acordo com nossa cultura empresarial, que pudese servir a todos.

Fiz contato com o Ministro Executivo da pasta a qual está ligado meu ramo de atividade, enquanto por outro lado, pesquisava respostas e soluções para apresentar ao " ministro ".

Foi exatamente aqui, nesse pedaço, que entrou a Sra. Eunice. Bom, ainda era mês de Agosto, quando resolvi telefonar para o BNDES em busca de informações que jamais chegavam aos cidadãos normais e mortais. Ao meu telefonema atendeu-me uma senhora jovem a quem eu disse que queria falar com o presidente do BNDES. Sabia eu, o nome da pessoa importante a quem eu deveria fazer as tais perguntas para informar-me.

Diante do meu " desejo " de falar com o p-r-e-s-i-d-e-n-t-e do B-N-D-E-S, o leitor pode imaginar que eu não sairia impune. Aconteceu de ouvir o famoso " quem desejaria falar " ( se pudesse falar? ) . Identifiquei-me, apenas com o nome mas não houve maneira de eu satisfazer os procedimentos. Ai, eu me enfureci. Disse-lhe que meu nome não fazia nenhuma diferença, mas que a minha cidadania, o número da minha identidade era tudo que eu aceitava indentificar e disparei a cuspir números.

Antes, certifiquei-me de que estava falando para o Triângulo das Bermudas.

Enquanto me contorcia na minha cadeira anti-anatômica, rodante, catava minha pequena sacola onde guardo título de eleitor, CPF, essas coisas sem a menor utilidade. Estiquei-me toda e alcancei a maledeta. Tudo isso em frações de segundos, o suficiente enquanto dizia o número da minha identidade do Instituto Félix Pacheco, que por sorte sei de cor. Com o cartão, inútil do CPF na mão já podia ler a maravilha. Ai, desandei a falar sobre a minha importância: dava meu sangue para pagar todo aquele luxo dos Triângulo das Bermudas - como é conhecido o triângulo formado pelo extinto BNH, BNDES e PETROBRÁS- fazia parte de uma classe que sustenta qualquer economia nas costas, em qualquer lugar do mundo e por aí foi o discurso furibundo.

A pobre moça que me atendia, deve ter pensado que deixaram todo o pessoal do Pinel informado do telefone da Presidência do BNDES e me passou para outra pessoa, uma senhora, doce e paciente com bêbados, crianças, loucos e incautos. Ela informou-me da impossibilidade de falar com o presidente dela, naquele momento, mas que iria me passar para um Diretor que poderia me dar todas as informações das quais eu precisava. Não precisa dizer que não fiquei tão-satisfeita, mas já era alguma coisa. Encontrar um funcionário público consciente e disponível para servir ao contribuinte, era sinal de que alguma coisa havia de errado, ou de muito verdadeiro.

Ainda neste mesmo dia, entre emocionada e estarrecida, fiz um fax para a Sra. Eunice dizendo o quanto ela foi importante, com a prestimosidade, seriedade com que fui atendida. Disse-lhe sobre o que nós, cidadãos ( eles também são ) esperamos deles e que raramente encontramos quem se aproxime do ideal de servidor público e venha em socorro do tonto do cidadão. Verdadeiramente eu me senti importante. Dona Eunice Rosa me fez sentir que o Brasil, ainda, um dia, poderia ser diferente. Precisamos apenas de mais Sras. Eunices Rosa no funcionalismo público. Bastou-me número de identidade, CPF e falta de medo de me impor em nome do meu direito de contribuinte e cidadã. Era o mínimo que eu poderia dizer àquela senhora, para que o estímulo servisse para outros perdidos como eu. E mais, para que ela tivesse a certeza de que ela era importante para todo cidadão, pois naquele momento, ela representava o Poder Público, o Estado e a própria Instituição Financeira Estatal. Confesso que aquele dia, foi um dia verdadeiramente especial.

Após o meu agradecimento, no dia seguinte, fiz contato com o tal Diretor da Carteira de Crédito não-sei-lá-das quantas. Sujeito elegante, mas tão elegante que fazia questão de me manter a quilômetros de distância, tal a formalidade e impessoalidade impressa no tom da voz. Claro, ele não deveria querer intimidades com esses contribuintes que se acham cidadãos, ora! Até porque ele correria o risco de me ter telefonando outra vez e mais outra, até que me pensasse íntima do BNDES e, pior, com direitos. Aquele senhor é um sábio. Ele estava certíssimo.

Voltei a falar com a Sra. Eunice que me forneceu mais caminhos para buscar respostas. Às vezes, eu tinha a sensação de que ela pensava que eu era louca de jogar pedras, tal a delicadeza com que ela falava. De jogar pedras, não. Ainda não.

Passados alguns dias em silêncio, outra vez, estava telefonando para a Dona Eunice. Ela estava de férias. Aí, eu disse que queria falar com o Presidente e dei o nome do moço. Não houve muita demora e afinal ele veio ao telefone. Conversamos e eu - gentilmente o ajudei -. oferecendo algumas informações para que ele pudesse viabilizar uma linha de crédito; sugeri formas especiais de garantia, spread dos bancos e muitos etceteras. Fui de grande valia, para aquele gentil senhor. O pior, é que eu desconfiava que ele me levava a sério, tal o respeito e o tempo disponibilizado para nossa conversa ao telefone.

As coisas foram tomando rumo, o Secretário Ministro fez contato comigo e sugeriu que eu reunisse meus pares para uma reunião inédita: Estado, Governo querendo conversar. Isso no Brasil! Aconteceu. Meu medo era o Presidente Fernando Henrique não ser reeleito e o projeto ir por água abaixo. Ele foi reeleito. Mais tempo e afinal saiu a famigerada Linha de Crédito Especial. Só que agora a minha empresa já está morta e o remédio não me serve mais. Isso é que é futuro. O dinheiro está lá, mas a minha empresa não pode nem babar de vontade. Desejo, sinceramente, que alguma coisa tenha servido para meus pares e para o povo brasileiro.

Morri na praia!

OBS - Estou me lembrando de quando o Presidente do BNDES atendeu o telefone; poderia tratar-se de um funcionário comum, fingindo ser o tal presidente. Poderia, mas não era. Era o próprio. Quando eu digo o Presidente do BNDES, não estou me referindo àquele que é indicado por ministros e deputados e aprovado pelo Presidente da República; refiro-me ao sujeito que toca o barco, funcionário de carreira que conhece sua Instituição e a ama. A pessoa competente que está ali por concurso e muita dedicação. Foi esse homem com quem falei e que só vim a conhecer, num rápido contato, há muito pouco tempo.

Maria da Penha Veira

 

 

iofem

DF
Interativas
Amizade
ClubeDF
CtrlQualidade
Participe
Expatriates

Onça

Amor
Seguros
Socorro
Trabalho&

Negócios

Serviços
Separação

Moda

ElesPorEles
Viagens
NetPoesia
NetColuna
Humor via e-mail
Cultura
Por aqui, senhores
Entrevista
Mulher
JovenElas
Noivas/Noivos
Perfume
Lar & Casa
Lojas/Compras
Saudável
Internacional
Temáticos
Lojas
Lazer
Editorial
Opinião
Editora
DF

sominio

 

Felicidades Secretárias!