.
..                    
.                                        
NósMaternidade
.
     

 

    Editoria Mulher
    Artigos
    Notícias
    Filhos
    Maternidade
    Marido

 

 

 

Leia  Maria José Louredo de Souza, mãe do Thiago

 

      Em seu corpo, a liberdade...
      para matar

 

      Maria da Penha Vieira
          Domínio Feminino

          14, Abril/2005

Escolha o adjetivo

Em seu corpo, a liberdade

Que conquista é essa?

 

Tanto o meio científico quanto os onguistas — estes últimos, histéricos — vivem a preservar ovinhos de aves, peixes, filhotes de tudo quanto é animal contra a extinção. "Salvem os animais". Todo e qualquer embrião de um futuro rio, mínimas fontes que brotam da terra, mananciais preciosos são merecedores de cuidados porque são Vida.

O mesmo ser humano que trabalha para "salvar o Planeta Terra" trabalha também para alterar o curso do Universo. Esforça-se para dizer que a Natureza não foi sábia o suficiente, e cria os híbridos, muda curso de rios. Cruzam e descruzam a Natureza, interferem na Criação. Faz um pacto de não destruir a Terra e cria a indústria monumental dos Créditos Carbono: estou pagando para destruir.

Em breve olhadela nos paradoxos, parâmetros globais, está a discussão sobre o aborto. Em todos os argumentos em favor da descriminalização do aborto não se lê e nem se ouve falar de nenhum resultado estatístico no que tange à conseqüência de infertilidade de fundo psicológico causado pelo sentimento de culpa e, isto existe, mas, não existe por ser passível de punição legal e sim pela consciência que a mulher tem sobre o fato de ter assassinado seu próprio filho de maneira covarde.

Há, também, casos em que mulheres primíparas, principalmente, após um aborto não apresentarem nenhum problema em engravidar, mas que não conseguem levar a gestação a termo pelos mesmos motivos: bloqueio de fundo psicológico, inconscientemente, causado pelo sentimento de culpa.

Os ginecologistas, obstetras e endocrinologistas, possivelmente, ainda não atentaram para essa correlação direta. Os abortos espontâneos são sempre considerados como tendo suas causas em deficiências hormonais ou outras "palpáveis".

O argumento máximo brandido pelas defensoras do aborto com base na tese de que a mulher pode e tem o direito de dispor sobre seu corpo como lhe aprouver, precisa ser melhor definido. Sim, ela poderá dispor de um rim, um pulmão, um olho, qualquer parte, não-vital do seu corpo para doação de órgão, em vida. Poderá até doar seu útero se for possível, extraí-lo para transplanta-lo em outra mulher.

Antes de pensar em ser uma intransigente defensora do "seu corpo", imagine que você estará sendo instrumento da mais recente indústria na área da medicina: as clínicas especializadas em aborto.

Ocorre que, uma vida em formação dentro de seu útero não é parte do seu corpo, não é sua propriedade, não é um órgão, é sim o desdobramento da sua própria vida.

Que ao extrair uma vida em desenvolvimento, a mulher deseje que lhe seja, juntamente com a vida do filho, extirpado o útero, este órgão incômodo e ameaçador, pois ele é o culpado por abrigar o indesejável. Ainda que assim pudesse ser, o que está dentro do útero não lhe pertence.

No Brasil, principalmente, todas nós sabemos do quanto o Ministério da Saúde está mais para o Ministério da Morte. Hospitais desaparelhados, médicos exaustos e mal remunerados, comprometimento das imundas instalações hospitalares — muitas particulares podem ser incluídas.

Instituída a prática legal do aborto, rios de dinheiro correrão para investimentos em clínicas e hospitais de luxo, para aquelas que possam pagar ou tiver quem assuma a despesa por ela. Mas e o resto? O resto morrerá nos corredores dos hospitais do Sistema Público da Morte.

Toda e qualquer cirurgia é um risco. Se vamos pôr nossa vida em risco, que o façamos para dar vida.

Para quem pratica alguma religião, a Católica principalmente, veja como você está sendo manipulada por ignorância e desinformação. Se temos os homens para nos usar em proveito próprio, como matéria-prima para aquecimento econômico, também os temos para nos alertar, como fez o filósofo Olavo de Carvalho.

Clique e leia onde está a origem dos interesses em universalizar o aborto. Quem tenta nos meter na cabeça a idéia de que aborto é sinônimo de liberdade. Liberdade, mas para matar.

Vamos preservar os ovos das aves, do peixes, dos animais, a doce e serena fonte que brota no meio da selva. Eles sim, nos farão falta e dão sentido à vida. Reprodução humana ? Acidente lamentável.

Escolha o adjetivo

Em seu corpo, a liberdade

Que conquista é essa?

 

Reinauguração da nossa Casa. Está mais bonita. Visite

Você ainda não é Associada Ouro do ClubeDF ? Faça seu cadastro agora

Sobe

 

                    

DF
Interativas

Amizade

ClubeDF

CtrlQualidade

Participe
Expatriates

Onça

Amor

Seguros

Socorro

Trabalho&

Negócios

Serviços

Separação

Moda

ElesPorEles

Viagem

Cultura

NetColun@

NetHumor

Brechando

Entrevistas

Mulher

JovensElas

Noivas/Noivos

Perfumes

Lar&Casa

Lojas

Saudável

Internacional

Lazer

Lojas

Temáticos

Editorial
Opinião
Editora
DF

Domínio Feminino © 1998 -2004. Todos os direitos reservados. ] Brasil - Brazil, we speak brazilian Portuguese