.
.
.DF
                         
 
..
 
.Moda

 

    Moda Index
    Assessoria de imagem: Affife     Sawaia
    Sua roupa fala
    Estilo pessoal
    Sugestões
    Artigos
    Rapidinhas da moda
    Sobre bolsas e acessórios
    Central das Bolsas

 

Golas falsas

Para composições

Um detalhe tão simples como uma gola, pode fazer a grande diferença. Veja como usar golhas falsas e mudar o look da roupa. Até você vai pensar que está de roupa nova. Criatividade é tudo na moda.

Seguros

 

 

 

 

 

 

Bolsas, nossos domínios

 

Maria da Penha Vieira
11, Agosto/2009
Twitter: Central das Bolsas

 

Sem pretender esticar pelo caminho da história antropológica da bolsa, afirmamos que os primeiros a fazer uso delas foram os homens em seus deslocamentos para conseguir alimentos. No início, todas eram simples trouxas ou mochilas de couro advindo das caçadas. De simples alforje de provimento alimentar foi evoluindo em tamanho diferentes de acordo com suas necessidades.

As primeiras bolsas femininas pode-se considerar, as bem primitivas, simples suportes de couro, e mais adiante fibras urdidas, que eram utilizadas para transportar os filhos e também os poucos provimentos em deslocamentos de suas tribos.

O lenço era de grande importância no vestuário feminino e masculino, mas as mulheres o portava nas mãos; eram carregados nas mãos dado a sua elaboração de requinte na feitura; era, pois, preciso exibi-lo — em outros momentos o leque fazia as vezes de acessório. Além de outras práticas, o lenço tinha grande utilidade como objeto de sedução e depois por cuidados para a limpeza do corpo. Na moda pode-se dizer que o lenço teria sido a primeira bolsa do ambiente social acessório do vestuário. Depois do chapéu.

Passos lentos, com e evolução da farmacologia, com os perfumes e carmins, veio a necessidade de pequenas bolsas para o transporte destes acessórios na manutenção da beleza e o lenço pulou para dentro dela, embora a obrigação de ter um lenço passasse a ser dos homens, pelo motivo de facilitar o resultado da conquista e não apenas para iniciar o processo de sedução. O lenço apenas finalizava o processo vitorioso.

Acelerado o desenvolvimento da cosmética, da atividade profissional feminina as bolsas começaram a ser vistas como a casa e o escritório, os dois ambulantes e para manter referência com o passado nômade e tribal. Hodiernamente, a bolsa de uma mulher é um domínio verdadeiramente feminino. Dali ela regula a casa, a família, o trabalho e a rede de amigos.

Não sem explicação, as bolsas vão se estendendo em tamanho e espaço e isto garante, para algumas, certa autonomia de voo. Pelo que uma mulher transporta dentro da bolsa ela sabe a distância que pode percorrer e o tempo que pode se permitir manter-se distante de casa. Dependendo ou não da mulher, as bolsas falam por elas. De acordo com o estilo de vida, algumas precisam de verdadeiras malas que garantam essa autonomia.

Mas e por qual motivo as mulheres precisam ter tantas bolsas?

A resposta é que muitas precisam, mas nem todas. As que realmente precisam, são aquelas que sabem fazer uso da bolsa adequada ao que exige as circunstâncias. Essas são, realmente, as elegantes que não dissociam a utilidade da bolsa da complementaridade do conjunto indumentário, ao seu estilo próprio.

Sejam jovens ou adultas, as mulheres elegantes são criteriosas no uso da bolsa. Independentemente da personalidade que define o estilo de cada uma. Dentro da personalidade e estilo ainda estão as necessidades específicas.

As bolsas não podem ser vistas como simples adornos, mas há as que estão mais para adornos. Essas são as bolsas de noite, bolsas de festas, bolsas para eventos sociais..A escolha errada, e o desastre está feito, independentemente de todo os esforços no restante da composição.

Para quem pretende artigo de longa duração, bolsa em couro, por exemplo, procura por querer ser enganada. O couro, aquele de verdade, quase que inexiste no mercado brasileiro. Motivo para tal fato é a preferência dos beneficiadores pelo mercado externo. O couro que nos sobra para abastecimento interno é composto por raspas e aparas trituradas e prensadas. Pó de couro e raspas prensadas de durabilidade imensamente inferior. Algum pouco couro resulta do que não é exportado por falta de qualidade: são mantas com cicatrizes de arame farpado ou cicatrizes de berne.

Uma bolsa de bom couro produzido no Brasil é encontrada a preço bem inferior no mercado externo. Por tais motivos, além do crescimento do mercado de reprocessamento e de velhas matérias-primas reabilitadas como o látex banhando tecidos, as bolsas ganham em variedades. Outras direções como pele de frango, couro de tilápia e fibras naturais embora não tenham seus baixos custos em conta no produto final, como deveria estar acontecendo, são utilizados.

A importância das ferragens

Detalhe de uma ferragem de qualidade percebe-se na cromagem. Bolsa forrada com tecido e estruturada.

Dos materiais utilizados na confecção de bolsas, há um de extrema importância e pouca atenção tanto por parte das confecções, e mais, principalmente, pela desinformação do consumidor. A durabilidade e a beleza de uma bolsa está toda nas ferragens, na cromação correta. Tanto na qualidade dos metais como no desenho. Uma bela bolsa pode ter vida curtíssima se as ferragens não forem de boa qualidade. Com o passar do tempo as bolhas resultantes da cromagem de baixa qualidade arrebentam e expõe o metal enferrujado.

Este é outro ponto fraco. As ferragens baratas de ferro com cromagem de baixa qualidade, os desenhos, todos semelhantes. Basta ver os fechos, aros, rebites etc. . Não temos uma indústria criativa e que ofereça bom material a preços suportáveis. Não há competição pela estreiteza do mercado e acomodamento dos fabricantes. As confecções que desejam desenhos arrojados ou diferenciados têm que mandar fundir seus projetos e nesta situação o preço final é alto. Uma única indústria, com qualidade de metais para bolsas, domina o mercado.

Na hora de desenhar um modelo, o estilista com pouco capital de giro tende a dar voltas e voltas na cabeça para realizar o que pretende. Pensa uma coisa e esbarra na dificuldade do custo final. O jeito é projetar de acordo com o que está disposto no mercado. Se o dono da confecção não for o estilista, a situação complica ainda mais.

O tecido em pauta

Mochila em napa de couro. Yolanda Britto.

A sacola em tecido é excelente opção para estudantes e jovens alternativas. De custo mais baixo, práticas e laváveis. Muito bom para a moda praia.

Bolsas e carteiras em tecido - estruturadas -, seja em lona ou tecido de forração ou mesmo tecido de roupas são elegantes, a depender de quem usa e como as usa. Essa tendência é cada dia mais firmada em todo o mundo. A confecção ainda exige muito material industrial, com diversos tipos de colas, papelões, recouros, maquinário industrial e pode, dependendo do design, prescindir de ferragens que encarecem o produto. A grande liberdade de os designers poderem trabalhar com estamparia mais variada e até mesmo criar sua própria estamparia.

Acessórios opcionais

Ao contrário dos carros cujo mercado de automóveis já completos foram arrebatados pelos japoneses, as bolsas com inúmeros compartimentos não são as mais práticas. Daqui surge, então, a praticidade de adquirir um modelo standard e abastecer-se dos bolsos e compartimentos em peças separadas como já é tão comum em outros mercados.

Poucas mulheres gostam ou têm tempo e paciência para organizar os compartimentos de uma bolsa. Seja pelo temperamento, personalidade ou estilo de vida. Poucas são as que têm disciplina e tempo para manter a organização.

Um sofrimento desnecessário. Um dos perigos de bolsas de mil e um compartimentos e bolsinhos é quando se guarda alguma coisa com preocupação de encontra-lo, mais facilmente, depois. Fica-se tão preocupada em guardar o anel que insiste em ficar saindo do dedo, ou um cartão de alguém que muito interessa, uma nota escrita etc., que se não for logo resgatado, fica perdido por anos ou então se for lembrado pouco tempo depois, terá que fazer desesperada devassa em todos os bolsos de todas as bolsas.

A maioria das mulheres costuma mesmo é de enfiar tudo dentro da bolsa. É a pressa dos dias atuais. As casadas, quando acompanhada dos filhos, essas então, não podem dispensar tanta atenção em utilizar o cantinho adequado. As casadas que estudam e trabalham fora, coitadas, nem param para respirar. Muito comum é sacudir a bolsa, ouvir o barulho das chaves e sem sequer olhar para dentro da bolsa, no tato, alcançar o chaveiro.

Quase toda mulher usa o tato para encontrar tudo o que deseja dentro de sua bolsa. A coisa mais adequada é ter uma nécessaire para a maquiagem. Um compartimento da bolsa não é o local adequado para guardar baton, lápis, brilhos, perfume e outros trequinhos. Fazendo uso de tantos bolsos e compartimentos a bolsa acaba deformada e parecendo uma mala de viagem. E aí, acabou-se elegância.

Então, uma bolsa para cada hora. Uma bolsa para ir à faculdade e depois ao barzinho é uma diferente da que deve ser usada na noite e nos finais de semana. Em festas, encontros e outros sociais.

A bolsa que leva você

Muita atenção para não ser identificada como alguém que é levada pela bolsa. Você é quem leva a bolsa. Sua estatura fisica tem muito a ver com o tamanho da bolsa. Então, caríssima, equilíbrio.

 

 

Alto

 

DF
Interativas

Amizade

Clube DF

CtrlQualidade

Participe

Expatriates

Onça

Amor

Seguros

Socorro

Trabalho&

Negócios

Serviços

Separação

Moda

ElesPorEles

Viagem

Cultura

NetColun@

NetHumor

Brechando

Entrevistas

Mulher

JovensElas

Noivas/Noivos

Perfumes

Lar&Casa

Lojas

Saudável

Internacional

Lazer

Lojas

Temáticos

Editorial

Opinião

Editora

DF
Domínio Feminino © 1998-2009. Todos os direitos reservados. ] Brasil - Brazil We speak brazilian Portuguese