.
seus domínios
.DF
Venha Logo!
                       
.
.
.
Mulheres
..

 

Leia ElesPorEles

 

 

    Editoria Mulher
    Artigos
    Entrevistas
    Depoimentos
    JovensElas
    Moda e Assessoria
    Famosas e importantes
    Separação
    Tudo para Noivas
    Beleza
    Idéias
    Seguros
    Serviços do DF
    Trabalho&Negócios
    Lar, Casa e Decoração
    Filhos
    Marido

 

 

 

    Patrícia Helena Geisel
       07/07/2006

 

   

Entrevista com Patrícia Helena Geisel, residente em Auckland, Nova Zelândia, restaura o orgulho cívico dos brasileiros numa demonstração de patriotismo rara nos dias atuais. Todos os anos o casal Karl e Patrícia participam do cocktail da Embaixada brasileira para comemorar o 7 de Setembro. Este ano Patrícia fez diferente, embora sem a presença do marido no alto da Ponte, presente ao hasteamento, que reduziu sua participação por motivo de saúde momentânea, levando-a apenas ao local.

 

Domínio Feminino : Como surgiu e aconteceu a idéia de hastear a Bandeira do Brasil para comemorar o dia 7 de Setembro?

Patrícia Geisel : A maior ponte de Auckland, a Harbour Bridge é como nossa ponte Rio-Niterói, e liga a cidade a North Shore. No meio da ponte, na parte mais alta existem duas bandeiras de cada lado, uma da Nova Zelândia e outra de qualquer outro país cujo dia represente algo para aquele país. Bem, eu vi a bandeira Argentina um dia lá e pensei: como posso fazer para hastear a do Brasil??

E em agosto falei com meu marido que me disse para telefonar para TRANSIT-New Zealand, o departamento de trânsito que cuida da ponte. Liguei para lá e me explicaram que deveria conseguir uma carta da Embaixada do Brasil, atestando a data Nacional e também levar a Bandeira. Assim entrei em contato com a Embaixada que me prestou a necessária autorização e a Bandeira.

Domínio Feminino : Pela foto na ponte, distante, não dá para identificar qual é a Bandeira do Brasil. De qual lado ela se encontra?

Patrícia Geisel : É a do lado esquerdo da foto. O fato curioso foi que a bandeira da Nova Zelândia tem um tecido diferente, que pesou e ela não tremulou como a nossa, que por sinal foi elogiada pelo funcionário da Transit que disse ser um tecido ideal, tipo nylon. No momento que em que bati a foto distante da ponte não estava ventando.

Domínio Feminino : Como você conseguiu colaboração das pessoas que estão juntas no evento?

Patrícia Geisel : A Embaixada queria fazer o mesmo que eu fiz, porém eu liguei para TRANSIT NZ primeiro, reservei o dia e eles queriam os créditos. Então, deixei que escolhessem outras quatro pessoas, contanto que eu estivesse lá. Eles indicaram, então, duas senhoras sócias de um Intercâmbio estudantil e um instituto cultural brasileiro. Os rapazes são filhos delas. Só os encontrei lá no dia e acabamos trocando telefones e iremos nos encontrar depois. Outras duas pessoas são os funcionários da ponte.

Domínio Feminino : Como é que bate dentro do peito um momento como esse, à distância do Brasil com a realidade que vive, se comparada à realidade do que você sonha para o Brasil?

Patrícia Geisel : Fiquei mais próxima do País ideal naquele momento, talvez por que esteja num lugar ideal com a bandeira representando meu País por um dia. O sentimento patriótico é inerente, você nasce com ele, carrega-o por toda a vida e junto a esse sentimento fica idealizando sua Pátria, quando no nosso caso não aceitamos que a mesma esteja no patamar dos nossos sonhos. No entanto, ao viver em um país quase ideal ( perfeito, não existe ) é inevitável comparar os paises. Fica uma sensação de impotência porque estou distante e sei como é difícil mudar algo que já vem errado de tão longe...como é nossa historia.

Domínio Feminino : Pode explicar melhor: quando no nosso caso não aceitamos que a mesma esteja no patamar dos nossos sonhos.

Patrícia Geisel : Nós amamos nossa Pátria, mas também criticamos e nos acostumamos à insatisfação. Nos nossos sonhos, o país não tem corrupção, a justiça funciona, o Estado cuida do bem estar. Esse é o patamar a que me refiro, um sonho no momento.

Domínio Feminino : Fora sua constante comunicação com Brasil, como chegam aí notícias ? O Brasil ocupa alguma importância na imprensa ?

Patrícia Geisel : Eu acompanho pelo jornais online as noticias que chegam: a violência em SP (os últimos eventos do PCC ), Carnaval, roubo das obras de arte na casa da Gávea ( pois tinha um neozelandês lá na hora do roubo no carnaval desse ano ). O futebol ocupa algum espaço no jornal esportivo. Uma importância pequena mesmo.

Domínio Feminino : Você contou como foi o acesso ao licenciamento para hastear a Bandeira em local tão importante e pareceu coisa sem burocracia. Acha que para se fazer alguma coisa parecida com essa sua iniciativa seria tão desburocratizada? Haveria a mesma agilidade?

Patrícia Geisel : Estou certa de que no Brasil até desistiríamos de idéias simples, pois, se vende dificuldade. A burocracia no Brasil só tem concorrência na França e provavelmente Portugal e outra meia dúzia de paises atrasados com centralização do poder do Estado.

Domínio Feminino : Você percebe alguma partidarização ou ideologização aí, como nos acontece no Brasil? Brigas de interesses políticos que sejam notados pelo povo neozelandês?

Patrícia Geisel : Como acontece no Brasil, não. O povo é bem atuante. Primeiro as pessoas tentam resolver suas insatisfações com o governo local pela autonomia, junto à comunidade, e com voz ativa atua para conquistar direitos e modificar políticas consideradas desfavoráveis a determinados grupos e ou facções políticas. Mas, brigas no patamar de incivilidade como ocorre no Brasil, isso não acontece. O partido Trabalhista e o Nacional, entre outros, estão sempre se rivalizando mas, para conquistar mais votos. A valorização do voto acontece porque não temos o voto obrigatório. Por outro lado estrangeiros residentes, como eu, também, podem votar se quiserem.

Domínio Feminino : Essa participação seria resultado saudável do Sistema de Governo que vigora na Nova Zelândia ?

Patrícia Geisel : Sim, um sistema saudável gera uma engrenagem que funciona sempre de maneira a buscar a realização do interesse popular, com muita clareza de forma que, honestidade e ética são qualidades sine qua non para ter saúde, vigor e longevidade política. Se o político se queimar aqui, não ha futuro em nenhum outro setor para o mesmo.

Domínio Feminino : Você teria como exemplificar que tipo de postura e comportamento de um político seria punido e de qual forma viria essa punição?

Patrícia Geisel :: ROUBO = PRISAO, simples.

Patrícia Geisel : E mais, quero dizer, vou explicar melhor. Há comprometimento em relação a promessas políticas feitas em campanhas. Se não houver cumprimento dessas promessas o político é cobrado pela população.

Domínio Feminino : Quais os instrumentos que o povo tem para conseguir manter os políticos sob tão constante vigilância? São Conselhos ou apenas a mídia?

Patrícia Geisel : Primeiro que o próprio Parlamento tem sempre os olhos do povo sobre suas ações e seus membros. Os políticos temem os eleitores pelo fato de o voto não ser obrigatório. Assim, além do Parlamento, ambos, o povo e a imprensa, exercem cobrança e vigilância. Aqui não tem rede Globo com favoritismos e posicionamento nem interferência ou concorrência do Estado ou Governo na iniciativa privada. Essa autonomia é o fiel da integridade moral.

Através de passeatas, abaixo-assinado e até mesmo com greves, o contribuinte pressiona. O político em questão pode perder o mandato e mais, quando um determinado membro do parlamento está implicado com alguma irregularidade, os colegas de partido cobram uma posição do membro que pode ser punido perante a justiça ou perder sua cadeira. Quer dizer, não tem como encobrir um roubo ou qualquer outra irregularidade, ou o político esta no limelight o tempo todo, e nada passa em branco, não ha como fazer algo 'por detrás dos panos'. Aqui o ato de servir a nação, representar o povo é levado muito a sério e de maneira translúcida. Não estão lá pelo poder ou status quo, a ideologia é a seriedade mesmo!

Domínio Feminino : Digamos, um contribuinte consegue ter acesso ao seu representante ( se ele votou, por exemplo )? Como um contribuinte pode cobrar mediante denúncia e não temer retaliação ?

Patrícia Geisel : A mídia é imparcial, não importa o poderio político. Qualquer contribuinte tem acesso a um político com o qual ele deseja fazer contato. Se houver alguma denúncia contra o político, a mesma é apurada pelo representante local e tem a cobertura da mídia. Não há como haver retaliação porque as denúncias são levadas as Assembléias locais que se unem para trazer à tona a irregularidade e a punição ocorre por meios judiciários. Não há como temer nada neste sentido porque, a ética e os valores morais estão tão arraigados no povo que não ha escapatória para abusos e percalços.

Domínio Feminino : como são formadas essas assembléias locais? Quais são os critérios?

Patrícia Geisel : São formadas localmente por moradores (votantes) que se reúnem para atuar e cobrar ações de seus MPs (Members of Parliament).

Domínio Feminino : Quem os escolhe?

Patrícia Geisel : Qualquer um pode participar das Assembléias.

Domínio Feminino : É só se inscrever e pronto?!

Patrícia Geisel : Sim. Qualquer um pode reivindicar direitos e atuar para cobrá-los.

Domínio Feminino : Há muita dificuldade para um eleitor fazer contato com seu representante?

Patrícia Geisel : Não ( risos ). Aqui tudo é fácil, TUDO! Também, com 4 milhões de habitantes, e se o inicio é ordeiro e bem feito, agora, 190 anos depois só tem como melhorar (clap). Na Austrália é a mesma coisa, e lá já são 25 milhões.

Domínio Feminino : Como funciona para se iniciar uma atividade na iniciativa privada. Montar um pequeno ou médio empreendimento? De quantos reconhecimentos de firma? Cartórios?

Patrícia Geisel : Registra-se a empresa sem burocracia. Nem se pode usar o termo burocracia porque são apenas procedimentos e há ate institutos de apoio à empresa e cursos para empreendedores, constante apoio mas, claro, tudo por que os impostos são pagos e a máquina funciona assim: se pagam impostos, tenho mais serviço a meu dispor. Apenas um cartório e depois tudo é feito pela internet, fica lá o cadastro da empresa, com numero de registro, diretores, endereços para que o povo possa acessar.

Domínio Feminino : Quais foram suas maiores dificuldades para introduzir-se no ambiente profissional?

Patrícia Geisel : O idioma (leva tempo para aprender o sotaque). Não consigo pensar em nada mais, os kiwis são cordiais, educados e respeitosos como aqui tudo é fácil, não é difícil se acostumar, apenas as saudades da família e amigos que pesam na adaptação.

Domínio Feminino : A palavra kiwi para denominar o nativo é oficial?

Patrícia Geisel : Sim, de certa maneira, oficializado pelo povo zelandês. A palavra derivada do nome do pássaro local, símbolo nacional ( como também são a samambaia do mato, o xaxim ). É um pássaro que não tem asas, é do tamanho de uma galinha, ou um peru quando adulto, ele tem um pelo igual ao da fruta kiwi. Daí o pássaro, depois a fruta, e o povo, o dólar é tudo kiwi :). O pássaro que não tem asas não é incrível? Talvez por falta de predadores. Aqui não ha cobras.

Domínio Feminino : Aí também tem essa coisa de políticas especiais para mulheres, para excluídos?

Patrícia Geisel : Não há essa mentalidade de coitadismo. O contribuinte, o cidadão recebe tratamento de acordo com suas necessidades. É o próprio Sistema que retorna aos cidadãos os resultados dos impostos que pagam. Apoio dos governos, pensão, cuidados médicos etc. Uma pessoa com síndrome de down, por exemplo, recebe pensão semanal para cobrir todos gastos. O mesmo para mãe-solteira e deficientes em geral, assim libera a família para dar só amor. Não ha população de rua, homeless é uma opção, se não quiser ajuda do governo, o que é raro.

Domínio Feminino : Não cobram pensão obrigatória do pai? Nem os mandam para a prisão se não pagar a pensão?

Patrícia Geisel : Não, de jeito nenhum. Pensão dos pais tem que ser paga, porém não vai pra prisão se não paga, mas sim tem constante pressão de Órgãos que cuidam do assunto. Berta, minha amiga, por favor, arrume aí essas imagens, please!

Domínio Feminino : Refiro-me aqueles pais que sequer sabiam que seriam pais.

Patrícia Geisel : Esses se não moram com a mãe do filho ou nunca moraram, não pagam nada, a mãe recebe ajuda, se necessitar. São os impostos voltando para o bolso do contribuinte.

Domínio Feminino : Patrícia, você merece toda nossa admiração e orgulho.

Patrícia Geisel : Obrigada, isso me ajudou a superar as saudades e a tentar fazer o povo brasileiro ver que ele poderá decidir sobre seus rumos a caminho da prosperidade.

Sobe

Mais fotos

 

 

DF
Interativas

Amizade

ClubeDF

CtrlQualidade

Participe
Expatriates

Onça

Amor

Seguros

Socorro

Trabalho&

Negócios

Serviços

Separação

Moda

ElesPorEles

Viagem

Cultura

NetColun@

NetHumor

Brechando

Entrevistas

Mulher

JovensElas

Noivas/Noivos

Perfumes

Lar&Casa

Lojas

Saudável

Internacional

Lazer

Lojas

Temáticos

Editorial
Opinião
Editora
DF

[ Domínio Feminino © 2000 -2001. Todos os direitos reservados. ] Brasil - We speak Portuguese